DESCOBRINDO NOVOS BLOGS

É sempre bom quando sou lembrado e há alguns dias isso aconteceu pelo blog ATRIZTEZA. Agradeço a lembrança!!!

Vamos às perguntas!!!

1- Qual sua saga favorita?

As Brumas de Avalon de Marion Zimmer Bradley.

2- Qual sua série favorita?

Atualmente é Sense8.

3- Se pudesse fazer um produto revolucionário o que faria?

Algo que me fizesse parar na idade que eu tenho hoje.

4- Quem você gostaria que virasse um personagem animado ?

A Sacerdotisa Morgana, personagem da minha saga predileta.

5- Tem escudo contra vacilão? qual?

Sim… Minhas palavras e meu texto.

6-te incomodaria o fato de saber que sua melhor amiga tem pensamentos psicopatas?

Não sei…

7-se sua vida dependesse de matar a pessoa que você mais ama, você morreria ou viveria?

Já que a minha vida ia depender mesmo, acho que esperaria o fim.

8- O que é pior? pedofilia ou zoofilia?

Puxa… sério que eu tenho que decidir isso. Para mim nas duas situações é o mesmo tipo de vítima. Ambas são vulneráveis.

9- Qual música você recomendaria para o mundo todo?

10- E filme?

A Cor Púrpura.

E as minhas perguntas para os indicados são:

01) Prefere chuva ou sol?

02) Praia ou montanha?

03) Filme ou livro?

04) Um grande amor ou muitos amigos?

05) Uma vida segura no mesmo lugar ou uma vida louca ao redor do mundo?

06) O que te deixa triste?

07) E feliz?

08) Qual a sua memória mais antiga?

09) Qual o primeiro livro que você leu?

10) Se você pudesse fazer um único pedido, por mais inacreditável que fosse, qual seria?

Meus indicados são:

Latíbulo

Atraídos Pela Leitura

Meu diário de Leitura

Do que você sente saudade?

Hoje surpreendi-me sentindo saudades de coisas pequenas.  Senti falta do sol durante a natação no SESI. Do medo que eu sentia ao final do treino de ter que compartilhar o vestiário com os outros atletas e ter meu orgulho masculino ferido pelas inevitáveis comparações. Até disso sinto um pouco de saudade. Me fazem falta as quintas-feiras e suas sessões baratas nos cinemas do centro. Fugir da aula do cursinho para bater papo no barzinho ali perto. Jogar conversa fora sem as preocupações com as contas a pagar. Caminhar por Fortaleza sem sentir medo da violência de atual.

A década de 1990 me assaltou a alma com tantos problemas, porém algumas bobagens foram tão agradáveis. Hoje como um homem de trinta seis anos todas aquelas fugas parecem banais… Será que eram mesmo?

Aqueles anos proporcionaram tantas descobertas, algumas bem dolorosas e outras bem alegres. Sinto falta daquele rapaz sem máculas que via o mundo por lentes cinzas as vezes. Eu era um jovem muito quieto, passava muito tempo na companhia dos fantasmas e vampiros de Anne Rice, da sacerdotisa Morgana e seu irmão Arthur de Mariom Zimmer Bradley e tantos outros formados apenas como decodificação de milhões de palavras. Essa forma de solidão acompanhada doía muito e foi trocada pelas amizades da fase do cursinho.

Eis que chegou 1997 e as muitas festas, afinal eu faria 18 anos e o mundo se descortinava. Eu sabia, então, quem eu realmente era. A sexualidade já não era mais um mistério, mas nesse momento a liberdade lhe conferia uma máscara totalmente nova. Eu ainda era um rapaz recatado, muitos tabus ainda não deixavam experimentar tudo o que eu desejava, mas o mundo era meu parquinho. Ia para o cursinho, como era chato aquilo, e logo conheci algumas pessoas. Então esse novo grupo fazia do centro da cidade uma festa. Todo o pouco dinheiro que conseguíamos era usado para usufruir daquilo que a noite oferecia. Muitos medos se foram naqueles dias, alguns tabus persistiam, nada de grave.

Naquele ano aprendi a me movimentar pelos grupos que surgiam, as muitas máscara que usamos para socializar começavam a fazer parte de fato da minha vida de quase adulto. Então, aprendi que podia experimentar coisas antes proibidas pela criação que tive e os últimos três anos dessa década foram, de certa forma, libertadores. Fiz muitas coisas que jovens nessa idade fazem. Bebi muito, fumei muito, “fiquei” muito, beijei muitos, transei com alguns. Esse tabu ainda persistia.

Mas o que mais me faz falta hoje é esse sentimento. De poder tudo. Hoje, apesar dos problemas de ordem prática, sou feliz. Curso uma faculdade que eu gosto, estou num relacionamento maravilhoso e sinto-me mais seguro como ser humano. No entanto, aquela sensação de desbravar o mundo, de pisar em terreno desconhecido, o frio na barriga de saber que tudo é novo e bonito, não ter medo de errar, que cada experiência da vida é nova… Ah como isso tudo era bonito.

UM EMOJI É UMA PALAVRA? ¯\_(ツ)_/¯

UM EMOJI É UMA PALAVRA? ¯\_(ツ)_/¯

O avidamente antecipado “Oxford Dictionaries Word of the Year for 2015” foi anunciado. E é:1f602 . É o emoji conhecido oficialmente com “Rosto com Lágrimas de Alegria,” mas você pode conhece-lo como “chorando de tanto rir.”

As reações ao anúncio variaram de  1f604 para 763a1e17c2368ecebe244218a9ef19bf para 9a8a47633af621d0db0a1d2ab2868b70  para af2faf4d7ec922b00690c28c599e3d1b para “:P” para  ¯\_(ツ)_/¯. Algumas pessoas acham que os lexicógrafos de Oxford estão trolando os guardiões da língua. (Eles podem estar certos) Mas a grande pergunta é: É  mesmo uma palavra?

Podemos usá-lo escrevendo como uma palavra: Podemos colocá-lo em no lugar de qualquer interjeição como tsk ou ou hahaha ou nãã, quando importa, frustração ou impaciência, todos os quais são palavras. E podemos usá-la em lugar de outros tipos de palavras também. Mas se é uma palavra, como se diz? E que tipo de palavra é ela?

A visão padrão é que a linguagem escrita representa a linguagem falada, a qual pensamos como as coisas que dizemos diagramadas numa sentença ou podemos definir num dicionário. Mas a comunicação falada é apenas um tipo de gesto do espectro. É apenas o tipo mais fácil de marcar e estritamente definir – parcialmente porque colocamos o máximo de esforço em fazê-lo com ele. E as palavras nas sentenças são de longe mais fáceis e mais obvias de escrever do que as outras partes. Então usamos algumas marcas como “! para tentar exprimir um determinado tom, caso contrário é tudo o que podemos escrever com letras e alguns símbolos. Tentamos administrar o que fica a cargo das expressões faciais e dos gestos que fazemos.

Até agora. Agora, finalmente, os gestos, além do discurso, estão começando a receber o mesmo tratamento do discurso. Desde 1982, quando Scott Fahlman propôs “:-)” para o uso em mensagens de texto simples no quadro de mensagens digitais do Carnegie Mellon, temos uma forma codificada de pôr um sorriso em forma impressa para indicar uma atitude amigável ou bom humor, e o significado de “:-)” em uma mensagem não é mais difícil de definir como um “ok”. (E, como gostamos de simplificar as palavras podemos usá-la aqui simplificando “:-)” para “:)”, e porque não.) Surgiram outros emoticons após esse que se expandiram com a adição aos caracteres Unicode. Desde 1999, criados por Shigetaka no Japão, temos os emoji.

Em cada caso, os emoticons e os emoji são representações da existência de gestos codificados – um sorriso, uma careta, um dar de ombros, um grito – ou um objeto que tenha nome. Sabemos exatamente o que “¯\_(ツ)_/¯” significa. Nós mesmo já fizemos isso muitas vezes. A definição em um dicionário seria a fração do alcance da definição de uma palavra como set ou well. Embora isso não seja exatamente o mesmo que a definição de shrug – ele tem elementos de um sorriso estranho ou um meio sorriso, e não estamos nos referindo ao ato, mas estamos agindo, no papel. O mesmo acontece com palavras como boom ou splat que se imitam a performance do som que imitam.

Já que encontramos uma forma de pôr gestos no papel, surgiu um efeito de retorno. Pense em LOL. Quer dizer “Laghing out loud” e originalmente significava que a pessoa estava realmente rindo alto, ou ao menos estaria se eles estivessem falando ao invés de digitando. Mas no texto ele se torna ele mesmo: podemos pronunciá-lo, usá-lo como substantivo (mesmo que seja apenas para os LOLs), duplica-lo LOLOLOL. Dessa forma ele alimenta o discurso de uma forma mais complexa do que era antes. O mesmo acontece com o 1f602.

É verdade que 1f602 não utiliza letras, mas nem 7 ou & usam e ambas significam algo que usam palavras. É também verdade que não pronunciamos 1f602, mas o usamos como gesto. Podemos brincar com ele e usá-lo de diferentes tipos de palavras. Eis alguns tipos de palavras que 1f602 pode assumir:

Interjeição: É forma mais comum de uso: como em tsk,, haha e por aí vai, ela pode ser uma expressão por si mesma, preenchendo as mesmas lacunas como uma oração inteira, porém sem substantivo ou verbo, apenas para expressar uma atitude. Por que escrever “chorando de tanto rir” (que usa 18 caracteres dos 140 que podemos usar no Twitter) quando você pode apenas usar 1f602? Se quisermos enfatizar podemos usar mais de um  1f6021f6021f602– assim como tsk tsk tsk ou hahahahaha.

Orações Adverbiais: Podemos dizer que emoticons e emoji podem ser usados como orações adverbiais, transmitindo uma atitude para o enunciado como um todo, como honestamente em “honestamente, não me importo”. Normalmente os colocamos no fim da oração o que não é comum em orações adverbiais, e usamos vírgula como em “não me importo, honestamente”, provavelmente não usaríamos a vírgula em “não me importo :P”. Podemos coloca-los no começo da oração – 1f602 Ridículo! – percebem que colocamos letra maiúscula na próxima palavra? Isso sugere que tratamos as duas como expressões separadas, como em “Hahaha! Que ridículo!” Não usamos, geralmente, como os outros tipos de advérbios pois não é comum encontrarmos formas como “Que 1f602 louco!”

Adjetivo: Podemos usá-lo como What’s up with the 1f602  face?, mas não é comum. É mais comum seu uso como predicativo, como em I’m feeling really 1f602 about that.

Substantivo: Você pode escrever I got a lot of 1f602 out of that. Mas provavelmente usariamos o plural: How many 1f602s did you get out of that?

Verb: There’s no big problem with If he does that I am going to . But we can’t easily conjugate it. It likely looks wrong to put He really  a lot orYesterday he  all evening.

Verbo: Não é um problema escrever If he does that I am going to 1f602. Porém podemos facilmente conjuga-lo. Mas parece errado escrever He really 1f602 a lot ouYesterday he 1f602 all evening.

Mas, não importa como você usa o 1f602 numa oração, ainda não podemos pronuciá-lo! É verdade que a linguagem falada é apenas um modo comunicativo, e não é o único tipo que pode ser claramente codificado e definido – temos muitos tipos de gestos e expressões faciais que não são menos claras que as palavras – mas sempre guardamos a palavra “palavra” para o tipo de gestos que podemos usar para os sons do discurso.

Então é tempo de mudarmos isso? ¯\_(ツ)_/¯ . Oxford já mudou.

Texto traduzido de Is an emoji a word? ¯\_(ツ)_/¯

Oxford Dictionaries Word of the Year 2015

A Bitch Named Desire!

A Bitch Named Desire!

Depois de uma semana sem postar estou de volta. Essa foi uma semana de sentimentos contraditórios, diria que os tais ainda estão aqui. Muita coisa mudou nesses seis meses e eu ainda não consigo lidar muito bem com essas mudanças. Existe sempre algo me puxando para baixo, colando meus pés na terra. Meu desejo, a tal bitch, era alçar voo. Sim, uma sensação filha da mãe.

Quando a gente quer fazer algo e a realidade nos impede.

Sou um tipo calado que não gosta de lamentações, escuto sempre as pessoas dizerem que sou muito tranquilo, essa semana mesmo disseram “o mundo se acabando e o Wanderson tranquilo.” Mas sempre existe uma outra verdade. Desculpem-me os que querem a verdade acima de tudo, mas estão errados. NÃO EXISTE VERDADE ABSOLUTA! Existem fatos, sim eles existem e podem ser citados em uma lista, porém eles podem ter diversos significados já que estão abertos a interpretações. Cada um interpreta o mundo por seus próprios olhos. É aí onde entra o desejo.

Alguns olham uma Ferrari e veem algo mais que um carro e para mim é apenas um carro como outro qualquer. Outros desejam viajar para os EUA porque podem fazer a compra da sua vida, para mim seria maçante ficar de loja em loja. Então, no meu caso, qual é o problema com o desejo? Eu quero coisas que estão fora do meu poder de realizar, ou por falta de dinheiro, ou porque a realização desse desejo depende da ação dos outros, ou porque não consigo simplesmente. Ah, e não me venha com esse negócio de coaching, que tudo é possível, basta querer e blá blá blá… Negócio frustrante.

Queria que as pessoas não brigassem tanto, queria poder voltar no tempo e ser expectador de algumas coisas para poder entender o presente, queria ter tido a ideia de escrever aquele livro que eu amo, queria ter as ferramentas para ser menos preocupado, queria ser mais social, queria não ser tão tímido, queria fazer uma viajem com todos os que eu amo… enfim minha lista de desejos é bastante longa. Não desejo a grande mansão, o carro mais legal, a roupa da moda. Definitivamente não. Meu mundo interno é mais interessante que o exterior por isso é tão complexo. Assim, as pessoas nunca me entendem e grande parte do tempo é solitário estar na minha pele. Meu desejo real era apenas poder conversar sobre o que eu gosto, sair e não ter que beber para me soltar e parecer interessante, que as pessoas gostassem de mim, mesmo eu sendo esse cara comum e não o mais extrovertido. Sinto isso todos os dias. Me pego pensando se sou eu que não sou interessante ou se gosto tanto de todos que gostaria de ter mais atenção.

Escuto sempre as pessoas me dizerem:

    • Vá lá!
    • Fale o que você pensa!
    • Não se importe com a opinião dos outros! (Esse é o pior para mim. Eu já sou trancado dentro de mim, já pensou se eu for indiferente? Serei um autista completo.)
    • Seja autêntico. (como assim, não sou autêntico? Quem quer tudo igual ao de todos os outros é autêntico e eu não?)
    • Saia de casa, veja gente! (qual será a diferença? Ficar em casa sozinho ou fora de casa, cercado de pessoas que eu não conheço?)

E segue uma relação longa de conselhos úteis que todos têm.

Enfim, loucuras a parte perdidas nesse texto desconexo, o desejo é sempre algo estranho, pode machucar ou pode mover. Quando está ao meu alcance eu batalho e quando não está exige um certo tanto de esforço para desapegar. Então é sempre uma luta.

O que eu digo a mim mesmo é o seguinte: “use um filtro e lute pelo que você consegue e aguarde que talvez um dia consiga o restante.” É o meu esforço para alcançar os meus desejos.

O Ser

O Ser

O ranger das árvores que dançam ao sabor do vento. O eterno girar da vida. Os altos e baixos de tudo o que nos acontece. O medo da morte. A sucessão dos fatos da vida. Do sorriso à lágrima, da dor à alegria. O anjo da vida e o da morte. O medo da vida. O olhar daqueles que nos julgam medíocres e não percebem a mediocridade de si mesmos.

Sonhos que assombram nossas noites, a polução noturna. O anseio de viver. O desperdício de ser. O verde da grama. O alanranjado do sertão. O cinza das águas.

Saber e desconhecer. O mistério e o revelado. A contradição, a ironia. Ao sarcasmo… À mentira.