Sempre tenho vontade de escrever, o tempo todo. Quase sempre sinto-me inspirado nos momentos mais inoportunos. Quando não estou em um lugar tranquilo, quando não tenho o computador a mão, quando a bateria do celular está prestes a acabar, quando não tenho papel e caneta ou quando estou trabalhando e não posso parar.

Tento anotar ao menos a ideia principal, mas nem sempre é possível. Aquela ideia revolucionaria que me fará escrever o maior livro de todos os tempos, ganhar o Nobel de literatura, que me tornará rico e prestigiado, sempre surge quando eu menos posso escrever, ou pelo menos anotar em detalhes. Parece quase uma injustiça do universo ou que os deuses estão conspirando contra mim. Me pergunto como essas ideias surgem para os grandes, pois existe, por exemplo, Stephen King, com uma obra tão extensa. Claro que ele é bem mais velho que eu e que teve muito mais tempo para trabalhar. Estou com o livro dele, “On Writting” por terminar de ler. Confesso que o retorno das aulas e a leitura de “Clarice,” me deixaram com um rastro de livros para concluir a leitura. Mas voltando ao bom Stevie, qual é o seu processo criativo? Como esses universos são criados? Como se criam personagens assim?

Enfim, sou um curioso da Arte da escrita. Se eu pudesse viajar no tempo conversaria com tantos que eu admiro, encheria o saco de cada um com milhões de perguntas. Desde Homero, Cervantes, Poe, Machado de Assis, Eça de Queiroz, Dante Alighieri… nossa, uma lista enorme. Sei que existem livros que desvendam parte desse mistério, mas meus questionamentos não seriam simples assim. Eu puxaria uma cadeira e sentaria ao lado de Virgínia Woolf, e a observaria escrever, compartilharia um cigarro e traria para ela um trago de uma bebida. Faria massagem nos ombros de Poe quando ao escrever o corvo estivesse muito cansado. Como pensar nisso sem sorrir? Já pensou, debater longamente com Jane Austin sobre suas opiniões “proto-feministas” ou não? Comer madeleines bebendo chá e ouvir as narrativas de Proust…

Parece pretensão, mas é puro devaneio regado a vinho numa noite de sexta feira. Não tenho ambição de ser famoso, minha ambição é de compreender, assimilar e compartilhar esse conhecimento, essa arte. Esse é um dos motivos da existência desse blog. Como vocês sabem sou estudante de letras e costumo compartilhar os resumos que escrevo sobre os textos das aulas. As vezes posto meus escritos, como o do dia 22, mas ainda não tenho autoconfiança o suficiente para postar meus escritos, porém aviso que lentamente estou perdendo a vergonha.

Bom, isso é mais um devaneio, mas é de coração.

Bonum vinum laetificat cor hominis!

Anúncios

Um comentário sobre “O que escrever…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s